Batons M.A.C: Dodgy Girl, Riot House, Kelly Yum-Yum (Kelly Osbourne) e Pure Heroine (Lorde)

A M.A.C tem lançado tantas coleções que não tenho conseguido acompanhar. Tenho comprado poucos produtos de coleção, mas me interessei pelos batons da Kelly Osbourne (menos o nude) e pelo batom da Lorde. Gostei muito de alguns e nem tanto de outros...

Da esquerda para a direita: Riot House, Kelly Yum-Yum, Dodgy Girl e Pure Heroine 


Dodgy Girl


É meu favorito de longe, um tom de lavanda diferente, mais escuro, mais intenso, mas não chega a ser vibrante. Seu acabamento é matte; a durabilidade e a cobertura são muito boas. Fica bem nas branquinhas. Em peles muito quentes ou bronzeadas ele vai sobrepujar o tom da pele - em outras palavras, só vai aparecer boca, de uma forma negativa.

Riot House 

Me arrependi muito de ter comprado esse. Achei que fosse um laranjinha um pouco mais vivo, mas ele é muito esbranquiçado, muito feio. Nem na minha pele que é bem clara ele ficou bom. Talvez o único jeito dele funcionar seja com uma maquiagem super dramática, com um olho bem preto e uma pele bem corrigida, numa pessoa de pele bem clara e de estilo igualmente dramático. Ou seja, em condições muito específicas. Seu acabamento é matte. Vou usar para matizar outros batons.

Kelly Yum-Yum 

Esse eu encomendei por puro surto. Como amo esse tipo de rosa, fiquei com medo de não encomendar e depois me arrepender. Embora eu tenha muitos batons dessa família de cor, imaginei que o pink da Kelly seria bapho. Poderia viver sem ele, mas não me arrependi de tê-lo comprado. O Kelly Yum-Yum é parecido, mas não é igual a nenhum... Bem menos azulado e neon que o Candy Yum-Yum, tem acabamento satin e não matte. O Kelly é sua versão mais democrática na cor e no acabamento. 

Ele é bem menos seco e tem um certo brilho, em função do seu acabamento. Tinge os lábios: depois que a massa do batom sai, eles continuam coloridos. Muita gente não gosta disso, mas eu acho ótimo, pois dá para esquecer o retoque por mais tempo que um batom cremoso e fica bonita a boca colorida sem textura de batom. Poder criar esse efeito de lip stain, na minha opinião, é umas das coisas mais legais desse batom.  

Pure Heroine

O batom da Lorde para a M.A.C é um violeta escuro e intenso, de acabamento amplified creme. Não tem a cobertura total de um batom matte, mas cobre bem e tem muita pigmentação. Precisa ser usado com contorno labial para não escorrer, pois é bastante cremoso. Requer retoques mais freqüentes em função do acabamento. Gostei muito dele. A cor é linda e fica ótima em pessoas de peles claras e frias (sobretudo se tiverem cabelos escuros) e em peles negras de tons mais fechados, escuros. 

Da esquerda para a direita: Dodgy Girl, Riot House, Kelly Yum-Yum e Pure Heroine

Notem, na foto acima, os diferentes acabamentos. Os dois primeiros são matte, totalmente secos e sem brilho. O terceiro é satin, tem um leve brilho. O quarto é amplified creme, com seu brilho molhado. Na foto abaixo, comparo O Candy Yum-Yum com o Kelly Yum-Yum e o Heroine com o Pure Heroine. As diferenças são bem visíveis. 

Da esquerda para a direita: Candy Yum-Yum, Kelly Yum-Yum, Heroine e Pure Heroine.

Não pesquisei direito antes de encomendar os batons. Se tivesse pesquisado não teria pedido o Riot House. Espero que esse post ajude vocês a decidirem possíveis compras!

SWATCHES E RESENHA: BATONS MAC DANGEROUS (RETRO MATTE), VIVA GLAM III (MATTE) E MEDIA (SATIN)

Hoje mostro para vocês três batons da M.A.C: Media (satin), Viva Glam III (matte) e Dangerous (retro matte).  A qualidade dos batons da M.A.C é inquestionável e, para uso profissional, gosto muito dos batons de acabamento retro matte, matte e satin, por serem mais consistentes e terem alta pigmentação e durabilidade. O satin, na minha opinião, em termos de acabamento, está entre o matte e o cremoso.   

Da esquerda para a direita: Media, Viva Glam III e Dangerous

 Abaixo, amostras dos três batons, fotografadas em luz natural:

Da esquerda para a direita: Media, Viva Glam III e Dangerous 

 Media

O Media é um tom de vinho que a marca define como roxo avermelhado intenso. Seu acabamento é satin, e portanto, tem leve brilho acetinado, alta pigmentação e boa cobertura. Sua textura é leve e macia. É consistente, mas não é seco, então a aplicação é fácil e a durabilidade é boa, de cerca de 3 horas sem necessidade de qualquer retoque.


Viva Glam III

O Viva Glam III é definido pela marca como um ameixa amarronzado apagado. É um tom neutro mais escuro, bem elegante. Seu acabamento é matte, fosco. Tem alta pigmentação e cobertura total. Apesar de ter aparência seca,  não é difícil de aplicar e nem desconfortável. Sua durabilidade é excelente, de pelo menos 4 a 5 horas sem retoques. 


Dangerous

O Dangerous é um dos retro matte, irmãos de acabamento do Ruby Woo lançados no ano passado (Flat Out Fabulous, All Fired Up, Runway Hit e Relentlessly Red aqui). Seu acabamento é extremamente seco e sua aparência nos lábios é aveludada. O efeito é lindíssimo e o tom de vermelho-alaranjado combina demais com as peles amareladas, douradas e acobreadas de grande parte das brasileiras. Por ser bem seco, sua aplicação é mais difícil. Um lápis ou um pincel podem ajudar a desenhar o contorno labial. 

Contudo, é justamente sua textura seca que garante uma durabilidade incrível de pelo menos 6 horas sem retorques, além do aspecto aveludado. Lábios devem ser hidratados antes e depois do uso para evitar o ressecamento. Como eu sempre uso batom matte, não senti que meus lábios ficaram mais ressecados após usá-lo o dia todo. Acredito que minha pele já se acostumou a esse acabamento. Quem não tem costume de usar batons mais secos pode sentir algum incômodo. 

Sou apaixonada pelos retro matte e indico muito essa tonalidade, e as mostradas no post "linkado" acima, por sua beleza especial. Sua pigmentação é excelente e sua cobertura é total.


Todos os três têm o tradicional cheirinho de baunilha, leve e delicioso, dos batons da marca. Lembro que todo o valor da venda dos batons e demais produtos da linha Viva Glam é revertido para o M.A.C AIDS Fund, entidade de apoio a soropositivos.  

São três batons marcantes, para intenções e gostos diferentes. Recomendo os três!

Swatches e Resenha: Batom Ultra Color Fúcsia Matte e Rubi Matte da Avon

Recentemente a Avon lançou novas tonalidades de batom matte. Logo que reformulou sua linha de maquiagem, a marca lançou batons que chamava de matte, embora em seus catálogos a nomenclatura adotada era soft matte. Comprei o batom Cereja Matte e mostrei aqui. Ele me decepcionou em parte, porque de soft matte não tem nada, muito menos de matte. É um batom cremoso. 

Agora que lançaram novas cores matte, resolvi, mais uma vez, testar o acabamento. Escolhi as duas cores mais intensas: Rubi Matte (vermelho clássico) e Fúcsia Matte.


O preço que paguei em cada um foi cerca de R$15 e não me lembro sei foi valor promocional. Para ser muito sincera, não preciso de mais nenhum batom na minha vida, mas sou boba e frequentemente caio na tentação quando vejo cores lindas e a promessa de batons matte (meus preferidos #vício) baratos. 

Sobre as cores, são realmente muito lindas e ótimas opções para quem anda sem grana e busca batons marcantes. O vermelho, como disse, é um tom super clássico de vermelho de fundo mais azulado, elegante e, ao mesmo tempo, moderno. O fúcsia é a cor da moda, a cor do ano e a minha cor preferida. É simplesmente maravilhoso! 


Abaixo, amostras do Fúcsia Matte e do Rubi Matte fotografadas em luz natural: 

Fúcsia Matte (à esquerda) e do Rubi Matte

Fúcsia Matte

Acabamento: o Fúcsia Matte tem um acabamento que eu chamaria de soft matte a matte, pois não tem brilho molhado mas também não tem aparência muito seca. Apesar a aparência sem brilho ele é levemente mais úmido que o batom matte da M.A.C, por exemplo.

Textura: leve, macia, fina, de fácil aplicação e uso muito confortável. 

Fixação/durabillidade: boa. Cerca de 5 horas sem retoque (sem comer). 

Pigmentação: alta.

Cobertura: alta.

Embalagem: bonita e resistente.

Cheiro/sabor: leve e agradável, sem gosto pronunciado de matéria prima.

Custo-benefício: muito bom.

Dupe: O Fúcsia Matte não é idêntico, mas se parece muito com o Shocking Pink Matte da Nyx, sendo levemente menos azulado. E é um pouco mais claro e menor arroxeado que o falecido Gladiola da M.A.C. O efeito nos lábios é muito semelhante. Substitui bem qualquer um deles.

Da esquerda para a direita: Shocking Pink (NYX), Fúcsia Matte (Avon) e Gladiola (M.A.C)

 Rubi Matte

Acabamento: o Rubi Matte tem um acabamento que eu chamaria de acetinado, pois tem um leve brilho, correspondente ao dos batons satin da M.A.C, por exemplo.

Textura: leve, macia, fina, de fácil aplicação e uso muito confortável. 

Fixação/durabillidade: mediana. Cerca de 3 a 4 horas sem retoque (sem comer). Depois disso perde gradualmente a cor, provavelmente por ser mais umectante.

Pigmentação: boa. Um pouco menor que a do Fúcsia.  

Cobertura: boa. Também menor que a do Fúcsia, que já cobre totalmente os lábios na primeira passada. O Rubi Matte dá uma boa cobertura de cor, mas com um efeito levemente translúcido. Reforçando a aplicação aumenta-se a cobertura.

Embalagem: bonita e resistente.

Cheiro/sabor: leve e agradável, sem gosto pronunciado de matéria prima.

Custo-benefício: bom.

Dupe: O Rubi Matte é dupe do M.A.C Red da M.A.C. Mesma cor e acabamento muito semelhante. O gringo tem melhor pigmentação e cobertura (perceba nas bordas das amostras, na foto abaixo).

Da esquerda para a direita: M.A.C Red (M.A.C) e Rubi Matte (Avon)

Vocês já testaram as novas cores da Avon? O que acharam? Beijos!

Maquiagem Artística: Branca de Neve


Quando minha amiga Annie Donato fez uma montagem me comparando com a Branca de Neve achei que realmente havia algumas semelhanças.

Me deu vontade de fazer uma maquiagem artística com o tema, mas numa versão bem diferente da clássica princesa da Disney. Digamos que a minha Branca de Neve é bem mais dramática (como sempre) e menos "boazinha". O formato das sobrancelhas, especialmente nessa primeira foto, mostra que ela não é ingênua e as linhas dos olhos mostram que ela é ativa e dinâmica. Basicamente uma princesa moderna..... rs 

A Annie, que também é maquiadora e consultora de moda em São Paulo (página dela aqui), até fez nova montagem, vejam:


Nas fotos abaixo a expressão já é mais tradicional da personagem, mas mesmo com a expressão meiga e tranquila as sobrancelhas fazem diferença na leitura da personagem, assim como franja reta. Trata-se, enfim, de uma Branca de Neve com mais força e ousadia.


O destaque da maquiagem está nos olhos, que devem parecer grandes de longe. Cílios em cima e embaixo são muito usados por bailarinas e atores para alcançar esse objetivo, junto com o lápis bege ou branco por dentro do olho (para palco o branco funciona melhor, diferente da maquiagem social). A delineação vem em cima e embaixo e é aberta, os traços não se encontram no canto do olho, truque que ajuda a alongar e abrir os olhos. Notem que é uma maquiagem artística e não social, que tem características mais marcadas que funcionariam bem inclusive num palco, à distância e com muita luz.



Eu tenho olhos encapsulados, com a famosa pálpebra móvel "caída" ou "gordinha" e queria essa área bem clara, num tom bem gelado de prata. Isso só ressaltaria a característica e princesa que é princesa não tem olho com jeito de inchado. Ainda tenho supercílios enormes. Sendo assim, criei um degradê de beges e marrons do supercílio em direção ao côncavo, que foi marcado de forma gráfica com preto, como nas maquiagens dos anos 60. O degradê cria uma profundidade gradual e disfarça o tamanho do supercílio.  

A pele é bem branca, claro. Usei base cremosa de alta cobertura para maquiagem artística. Fiz contorno bem leve, apenas para não deixar o rosto muito chapado. Se fosse realmente para o palco, daria uma reforçada nos contornos. Mas para as fotos não quis que competissem com os olhos e com os lábios acentuados, assim como com as maçãs do rosto tão vermelhinhas quanto a a maçã envenenada. Escolhi um blush cremoso fúcsia aplicado generosamente.

Sob os olhos, dei um toque de glitter finíssimo branco de reflexo azulado, que remete à neve. A boca, como da princesa da Disney, é bem coradinha, escolhi batom fúcsia e apliquei no centro dos lábios o mesmo glitter que usei sob os olhos.


Essa foi a brincadeira de ontem. Minhas férias estão acabando e simplesmente mal consegui postar, porque entrei de férias no Senac mas continuei trabalhando. Maquiei clientes, maquiei no Minas Trend Preview (nossa semana de moda), maquiei na gravação de dois DVDs, teve noiva, fiz curso de Visagismo e no meio de tanta coisa tive apenas alguns dias de descanso. Semana que vem volto ao trabalho, cansada mas feliz porque tive férias produtivas.


Espero que vocês tenham gostado da maquiagem! bj

Swatches e resenha: pigmentos e sombras Inglot

Quem acompanha o blog há mais tempo sabe que eu amo as sombras e os pigmentos da Inglot, pela excelente qualidade e pela quantidade imensa de cores e de efeitos disponíveis. Os produtos da marca também têm um preço bastante honesto e excelente custo-benefício. O único porém é que não tem loja no Brasil. Eu costumo comprar os meus em viagens ou encomendo na Ultimate Beauty (loja virtual aqui), que me mandou alguns pigmentos e sombras para testar e mostrar aqui no blog. 

Da esquerda para a direita: pigmentos 31, 30 e 67

Em cada embalagem (linda, luxuosa e robusta) vem 2g de produto, o que teoricamente não é muito, mas na prática é uma quantidade boa, que custa a acabar, pois pigmentos são produtos que rendem muito. Na cartela de cores da marca existem pigmentos cintilantes, metalizados, particulados e também o glitter. Tem todas as cores e para todos os gostos!

Da esquerda para a direita: pigmentos 31, 30 e 67

O pigmento 30 é um dourado bem claro e cintilante que pode ser usado como sombra ou mesmo como iluminador. O 67 é um tom entre o ouro e o cobre, com brilho bem metalizado e é uma cor que harmoniza bem com as peles de tom quente da maior parte das brasileiras. O 31 é um verde floresta bem cintilante, ótimo também para peles quentes.

Da esquerda para a direita, amostras dos pigmentos 30, 67 e 31 fotografados sob luz direta do sol. 

 Da esquerda para a direita, amostras das sombras 502 e 463 e dos pigmentos 30, 67 e 31 fotografados sob luz natural. 


As sombras que recebi foram as 502 e a 463. A 502 é um cinza de base matte com brilhos tão pequenos e sutis que nem consegui distinguir cor, mas que dão uma "sedosidade" para a sombra. Na paleta abaixo é o terceiro cinza na terceira coluna.    



A 463 é um bege claro de base matte, cor de areia, com micro brilhos dourados, que ficam bem sutis e serve como uma sombra iluminadora leve, que realça sem destacar demais. Na paleta abaixo é a primeira sombra da fileira de cima.


A Inglot tem o Freedom System, que consiste no sistema em que o cliente customiza sua paleta de sombras (com 2, 5, 10 ou 20 espaços), comprando paletas e sombras separadamente. Eu pessoalmente acho que esse sistema vale muito a pena, pois cada um compra quantas e quais sombras quiser.

Quem conhece as sombras da marca sabe que a pigmentação é simplesmente indecente e que a quantidade de produto é ótima, cerca de 2,5g contra 1,5 das sombras da M.A.C, e é ainda mais barata que as da marca canadense. Amo as sombras da Inglot. Elas têm uma textura super fina e macia e por mais que as use, custam a desgastar.

A Renata e a Daniela, da Ultimate Beauty, estão com nova viagem para os EUA marcada para o final de abril e já estão aceitando encomendas de produtos da Inglot e das melhores marcas de maquiagem do mundo. Interessadas podem entrar em contato através da página do Facebook, cujo link se encontra no início desta postagem. 

Swatches e resenha: novos batons matte Eudora Coral Autentika e Rosa Marcante (e comparação com Flat Out Fabulous M.A.C)

Foram lançadas mais quatro cores de batom matte na linha Soul kiss me da Eudora. Ganhei o Coral Autentika e o Rosa Marcante, que é um tom lindo de magenta muito semelhante ao famoso batom retro matte Flat Out Fabulous da M.A.C (resenha aqui). 

Os batons matte da Eudora têm um preço super legal e uma qualidade boa. Ótimo custo-benefício. As características dos que mostro hoje são as mesmas dos primeiros batons matte lançados pela marca. Tem resenha deles aqui, por isso não repetirei a análise mais detalhada neste post


Abaixo, amostras do Coral Autentika (à esquerda) e do Rosa Marcante, fotografadas em luz natural:


Nas amostras nos lábios, abaixo, é possível ver que os batons ficam bem sequinhos, sobretudo o Coral. A cobertura do Rosa é perfeita, a do Coral, por ser uma cor bem clara, fica com leves falhas, que podem ser corrigidas com aplicação com pincel. 


Na última foto mostro, no meio, o Flat Out Fabulous da M.A.C, do lado esquerdo o Rosa Marcante da Eudora e do lado direito o Fucsia Mate da Contém 1g.


O Rosa Marcante é um pouco mais escuro e menos vivo que o Flat Out Fabulous, mas quase tão seco quanto ele. O seu acabamento se aproxima muito do retro matte. O Fucsia tem a cor praticamente igual à do Flat Out Fabulous, mas não é tão seco. Ambos são bons substitutos do batom famoso. O batom da Eudora é sem dúvidas o melhor custo-benefício, pois é bem baratinho e super digno. Eu adorei e indico para quem não encontrou o divo da M.A.C ou não pode pagar por ele. Espero que vocês tenham gostado da dica! bj

Maquiagem Artística: máscara de Carnaval


Vocês sabem que Carnaval para mim é pretexto para fazer maquiagens artísticas e para brincar bastante com a criatividade. A última que fiz foi essa máscara diferente, pois não tem o formato tradicional. Não a fiz para ir a nenhum bloco ou festa em particular. Fiz como um exercício técnico e criativo mesmo. Fiz, fotografei e tirei. 


Uma coisa que muitos maquiadores não entendem é que para serem criativos não dependem simplesmente de um dom divino. Claro que para algumas pessoas é mais fácil trabalhar de forma criativa, mas o fato é que tudo que as pessoas chamam de dom é formado, de um lado, de habilidade e, de outro, de dedicação, de treino, de tentativa e erro, de persistência. Isso é o que torna possível que o talento se desenvolva em realizações fora do comum. Nenhum bom resultado vem sem esforço, mas hoje a maioria das pessoas acha que se tornarão excelentes profissionais num toque de mágica, naturalmente. Todo grande profissional trabalhou muito e conscientemente para chegar à excelência. Quem está de fora só vê os resultados e acha que é puro e simples talento. Eu não acredito nisso e me esforço, estudo e pratico diariamente para chegar onde almejo. 


Por tal motivo, sempre que posso faço exercícios que me desafiam, procuro fazer algo que nunca fiz, realizar uma ideia, por mais maluca e "inútil" que seja. Cada maquiagem que faço em mim ou em outra pessoa fora de trabalho, sem nenhuma razão, experimento coisas novas, avalio o que poderia sair melhor, que materiais poderia ou não ter usado, o que deveria ter feito diferente e o que saiu legal. Isso me ajuda demais a refletir sobre o que posso melhorar no meu trabalho e a evoluir. 

Na foto acima, mostro o croqui que fiz com a ideia original da máscara. Nas fotos abaixo, mostro como ela ficou na prática, no rosto que é superfície tridimensional. A ideia básica foi seguida, mas formato do olho teve que ser adaptado à anatomia do meu rosto. Acabei também acrescentando as pérolas, que fizeram toda diferença no resultado final.






Fiz essa maquiagem toda à mão livre, sem ajuda de nenhum tipo de gabarito ou instrumento para facilitar os traçados. Levei 4 horas para chegar ao final. Nas fotos pude avaliar os pontos que podem ser melhorados, pois nelas os defeitos sempre ressaltam (fica a dica). No geral achei bom o resultado e pensei que seria interessante compartilhar com vocês um pouco da minha forma de pensar e agir em relação ao meu trabalho.

Me desculpem a qualidade das fotos. Eu mesma tiro e não tenho uma máquina, nem técnica nem iluminação profissional. Tive que tirar todas sem flash, pois com ele esse tipo de maquiagem estoura, fica medonho. Então o foco mandou lembrança. A última foto então... é do Instagram, mas foi a que ficou melhor pegando a maquiagem de frente. Enfim, valeu a intenção de mostrar o resultado do meu exercício. Espero que tenham gostado! Bom Carnaval!